Os técnicos do CETAP, ao realizarem um trabalho de assessoria com o objetivo de contribuir para a afirmação da agricultura familiar e suas organizações, com um princípio de construção baseado em uma agricultura sustentável, dentro dos princípios da agroecologia, foram gradativamente se dando conta da importância de ampliar os trabalhos com conservação e uso da sócio-biodiversidade. Para além das espécies agrícolas já conhecidas, a exemplo de variedades de milho, feijão, abóbora, batata doce, ervilhas, morangas, entre tantas outras, buscou-se ampliar este trabalho passando também a desenvolver ações de conservação e uso da sócio-biodiversidade nativa. 

 

A promoção da agroecologia, como proposta de reconstrução de sistemas agroalimentares promotores de soberania alimentar e protagonismo popular, integrando campo e cidade numa perspectiva de interdependência dentro de uma lógica de complementaridade entre rural e urbano, originou o Projeto de " Valorização e Uso das Frutas Nativas na Perspectiva de Associar Geração de Renda com a Conservação Ambiental e Soberania Alimentar".  

Portanto, o trabalho de valorização e uso das espécies nativas surge dentro da entidade CETAP, como um processo de amadurecimento e entendimento da agroecologia, bem como do papel da entidade em se desafiar e desafiar a sociedade na realização de inovações. 

 

A - Informações gerais

 

INÍCIO: 01/2001 (em andamento)

ENTIDADE EXECUTORA: Centro de Tecnologias Alternativas e Populares - CETAP

PARCEIROS: Encontro de Sabores - Comercio de Produtos Orgânicos

APRESENTADO PORAlvir Longhi

RECURSOS: Terceiros (provenientes de captação de recursos e/ou parceiros, sejam eles públicos ou privados, a fundo perdido ou reembolsáveis)

FAIXA DE VALOR: Acima de U$25 mil

CATEGORIA: Projeto

ÁREA TEMÁTICA PRINCIPAL: Inclusão Sócio-Produtiva

PALAVRAS-CHAVE: Fruticultura, Cooperação, Arranjos Produtivos, Cadeias Produtivas, Agricultura Familiar, Produção de Alimentos, Desenvolvimento Regional, Diversificação, Agregação de Valor, Preservação, Sistemas Agroflorestais e biodiversidade

PÚBLICO-ALVO: Agricultores familiares, empreendimentos urbanos de economia solidária e inciativas de empreendimentos sociais 

LOCALIZAÇÃO: Área periurbana

ABRANGÊNCIA GEOGRÁFICA: Microrregional

ÁREA ESPECÍFICA DE IMPLANTAÇÃO: Municípios de Passo Fundo, Santo Antônio do Palma, Três Arroios, Aratiba, Itatiba do Sul, Sananduva, Ibiraiaras, Santo Expedito do Sul, Pinhal da Serra, Vacaria, Monte Alegre dos Campos e Campestre da Serra.

 

 

B - Descrição da prática

 

1- ANTECEDENTES

No estado do Rio Grande do Sul, frutas como jabuticaba, butiá, guabiroba e araçá, fazem parte da cultura local. Muitas pessoas as conhecem ou lembram que na infância, de maneira lúdica, subiram em árvores para poder degustar o sabor silvestre desses frutos. Contudo, atualmente, a aquisição dessas frutas nativas ou de seus derivados é restrita, principalmente pela baixa oferta nos mercados. Por isso, o consumidor acaba adquirindo espécies exóticas, consideradas mais produtivas pelos produtores e que são facilmente encontradas em locais de comercialização de alimentos.

Existe uma expressiva diversidade de espécies frutíferas, nativas do estado do Rio Grande do Sul, e que historicamente foram negligenciadas ou pouco utilizadas. Percebendo isso, técnicos do Centro de Tecnologias Alternativas e Populares (CETAP), Organização Não Governamental (ONG), com sede no município de Passo Fundo (RS), identificaram a possibilidade de geração de renda para os agricultores familiares ecologistas, situados em quatro regiões do estado do Rio Grande do Sul, por meio da coleta de frutas das espécies nativas existentes em suas propriedades. 

Esses produtores utilizam sistemas de produção de base ecológica, em pequenas áreas de terra, com mão de obra familiar e produzindo hortaliças, feijão, milho, mel, queijo artesanal e frutas nativas, as quais são utilizadas para consumo próprio e o excedente comercializado em feiras. 

 

2- OBJETIVO 

O principal objetivo da presente iniciativa, reside na proposição de criação e, consequente estruturação de uma cadeia produtiva solidária, surgida da percepção de preencher a lacuna de exploração, de um mercado de frutas nativas. 

Com a adicional expectativa de promover desenvolvimento com geração de oportunidades aos agricultores familiares ecologistas, acompanhados pelo CETAP, além de levar aos consumidores alternativas para uma alimentação natural e saudável, com sustentabilidade ambiental. 

Objetivos Específicos:

- contribuir para a afirmação da agricultura familiar e suas organizações;

- construção de uma agricultura sustentável;

- preservação da biodiversidade local; e

- troca de conhecimentos, experiências e integração entre os meios rural e urbano.

 

3 - SOLUÇÃO ADOTADA

O reconhecimento de que as frutas nativas estão pouco presentes nos sistemas de produção de alimentos e na cultura alimentar, permitiu que o CETAP desse início ao trabalho voltado à importância e ao potencial socioeconômico dessas frutas, levando à conservação das mesmas, estando estas em seus ambientes naturais, ou sendo cultivadas em sistemas agroflorestais.

A entidade contribuiu com ações que respaldaram o empreendimento “Encontro de Sabores” para a formação da cadeia produtiva das frutas nativas. Tal iniciativa colabora para a troca de conhecimentos, experiências e integração entre os meios rural e urbano, propiciando complementaridade entre ações desenvolvidas para uma ampliação de oportunidades, associadas à preservação da biodiversidade local.

Os fundadores do empreendimento “Encontro de Sabores”, do corpo técnico do CETAP, avaliaram que, para obter um avanço da atividade econômica na região de atuação, era necessário um articulador direcionado á comercialização dos produtos procedentes dos sistemas agroflorestais ou dos remanescentes florestais existentes nas propriedades dos agricultores, a fim de motivá-los a cuidar e a cultivar as espécies frutiferas nativas. 

Assim, o “Encontro de Sabores” foi constituído para fazer a conexão entre os agentes da cadeia produtiva, a comercialização e a circulação de produtos. Também foi identificado ser fundamental elaborar diferentes subprodutos a partir das frutas nativas, para que o empreendimento pudesse viabilizar-se economicamente, bem como criar mais demandas de produtos (frutas e polpas) aos agricultores. 

Com o intuito de realizar a venda aos consumidores, foi desenvolvido um trabalho de divulgação por meio de aulas de gastronomia, eventos de degustação de novos produtos, para informar sobre a possibilidade de produzir uma variedade de subprodutos a partir das polpas de frutas nativas (amora, araçá, butiá, goiaba, guabiroba, jabuticaba, uvaia, açaí-juçara, pinhão). devido a isso, a" Cadeia das Frutas Nativas" foi eleita, em 2012, para participar do convênio entre o estado do Rio Grande do Sul, por meio da Secretaria da Economia Solidária e Apoio à Micro e Pequena Empresa do Estado do Rio Grande do Sul (Sesampe), e a Fundação de Educação para o Associativismo – (FEA/Colacot), no marco do projeto “Cooperação Internacional no Âmbito da Economia Solidária entre o Rio Grande do Sul e Países da América Latina e Caribe”.

 

4 - RESULTADOS ALCANÇADOS

Atualmente, a cadeia produtiva das Frutas Nativas na região de atuação direta do CETAP em Parceria com o Encontro de Sabores, conta com a participação de cerca de:

  • 150 famílias de agricultores familiares ecologistas, além de entidades parceiras, ONGs, associações, cooperativas, prefeituras e empreendimentos da economia solidária em 17 municípios do Rio Grande do Sul; 
  •  69 áreas com sistemas agroflorestais no estado;
  •  05 unidades de processamento de polpas de frutas nativas instaladas;
  •  03 unidades comunitárias de processamento de pinhão;
  •  instalação de 01 unidade de processamento para elaboração em produtos finais, no município de Passo Fundo;
  • Os principais produtos desta cadeia produtiva a destacar são: A bolacha de pinhão, os picolés de frutas nativas, salgados (pastel de pinhão, croquete de pinhão, pastel de butiá), as polpas de guabiroba, araçá vermelho, goiaba, jabuticaba, butiá e bergamota crioula, e por fim, os sorvetes de frutas nativas;
  • Do ponto de vista econômico, as referidas atividades fazem circular em média, pela comercialização dos produtos descritos, um valor total de: aproximadamente R$ 15.000,00 por mês ou R$ 180.000,00 por ano. 

 

5 - RECURSOS NECESSÁRIOS

As ações de valorização e uso das frutas nativas juntamente com a implementação de propostas de implantação e manejo de agroflorestas desenvolvidas pelo CETAP, nestes 15 anos de trabalho, tem tido apoio de diversos atores em diferentes momentos, desde do Governo Federal e Estadual, entidades de cooperação internacional e inciativa privada. Mais recentemente buscam-se também apoios junto às Prefeituras, nos municípios onde o trabalho é desenvolvido.

 Recursos Humanos - 02 profissionais da equipe técnica do CETAP e do Encontro de sabores em tempo integral. Número variável de técnicos para acompanhar as àreas  agroflorestais, bem como para a assessoria técnica no desenvolvimento de produtos a partir de frutas nativas e na construção de alternativas de comercialização.

 Recursos Materiais - o projeto ensejou a aquisição de diversos equipamentos, tais como: despolpadeiras, freezeres, dosadores manuais, taques de lavagem, seladoras, equipamentos direcionados á instalação de pequenas unidades de processamento de polpas de frutas junto aos grupos e famílias de agricultores. Também foram adquiridos equipamentos para o processamento do pinhão, como trituradores/moedores elétricos, descascador de pinhão, freezer e seladora.

 Infra-Estruturas: Por último, o projeto estruturou e equipou a instalação de uma unidade de processamento para elaboração em produtos finais, das popas e da  massa de pinhão. Juntamente com o "Encontro de Sabores" foi adquirido um KIT feira, ou seja, um conjunto de equipamentos que permite com que os grupos e empreendimentos participem de diversas feiras para venderem seus produtos.

Marketing: Anualmente são investido recursos em elaboração de material de divulgação como: cartilhas técnicas, manuais, folders e banners

 

6 - TRANSFERÊNCIA

A experiência desenvolvida vem gerando diversos momentos de reflexão e troca de experiências, no âmbito da Rede Ecovida de agroecologia, do estado do Rio Grande do Sul. Resultado direto disso, é que  a partir do de 2014, foi elaborado um plano de trabalho em 07 regiões do estado, de forma conjunta e entre diversas organizações, a fim de implantar estas inciativas em outras regiões.

Além disto, o CETAP e o Encontro de Sabores receberam inúmeras vistas de grupos de agricultores, estudantes, universidades de diversas regiões do estado e do Brasil, a fim de conhecerem e intercambiarem conhecimentos sobre o tema.As Inciativas desenvolvidas, também serviram de base para a formulação de um programa do Governo Estadual, através do departamento de economia solidária, para o período  de 2011 a 2014, direcionado ao fomento e articulação da Cadeia Solidária das Frutas Nativas do Rio Grande do Sul.

 

7 - LIÇÕES APRENDIDAS

Até ao momento, destacam-se como os principais fatores constatados pela iniciativa, as seguintes inferências:

  • Os agricultores que possuem árvores nativas ou que implantaram sistemas agroflorestais, apesar dos desafios a serem enfrentados, sentem-se satisfeitos quanto ao retorno econômico demonstrado pela atividade;
  • As entidades que prestam serviços de acompanhamento técnico às famílias e aos grupos vêm encontrando pouco apoio das políticas públicas estaduais e nacionais, no sentido de dar continuidade aos trabalhos e de aprimorar os processos já utilizados;
  • Para os técnicos, é indispensável que haja um programa de financiamento ou uma forma de custeio que possibilite a aquisição de materiais e insumos por parte das famílias de agricultores, a fim de implantar o manejo de áreas de Sistemas Agroflorestais (SAFs) e melhorar os processos de colheita e estocagem de frutas. Os técnicos reforçam que tal programa deveria se estruturar em cima da premissa de que esta ação cumpre com uma função ambiental relevante e, portanto, é de interesse do conjunto da sociedade;
  • Nas comunidades rurais, 80% das iniciativas de produção de polpa de frutas nativas, na área geográfica de atuação, são realizadas em espaços informais. A maioria dos participantes, entende que há urgência de formalização, porém sem que isso descaracterize o trabalho. São necessárias dinâmicas organizativas, infraestruturas e uma legislação adequada a esta realidade;
  • A operacionalização atual é executada de forma a atender à pouca procura com estoques relativamente altos para o contexto apresentado, ou que são pouco comportados pela estrutura disponível. 

Como principais aprendizados, em resumo podemos destacar os seguintes:

  • Acumulo de conhecimento técnico sobre manejo de agroforesta em diferentes situações;
  • Conhecimento técnico sobre processamento de frutas Nativas. Não havia conhecimento sobre esta prática até o início deste trabalho, uma vez que não existia praticamente nada versando sobre este tema, e especificamente, na região sul do brasil. Com a realização deste trabalho foi possível organizar um procedimento sobre boas práticas de processamento de frutas nativas, a mesma encontra-se descrita em uma cartilha técnica de processamento de espécies nativas;
  • Desenvolvimento de novas receitas – com a realização do trabalho em parceria junto ao Encontro de Sabores foram realizadas diversas receitas de pratos doces e salgados a partir das frutas nativas, o que permite hoje realizar atividades de capacitação junto a empreendimentos de alimentação (restaurantes, hotéis e lancherias), a fim de que os mesmos possem a utilizar os produtos compostos com frutas nativas em seus cardápios;
  • O trabalho realizado e as experiências geradas possibilitaram que o CETAP elaborasse uma base metodológica que possa ser utilizada em diferentes contextos, a fim de promover a valorização e uso da sócio-biodiversidade. Esta base metodológica tem como principais elementos uma espécies de fluxograma de como montar uma "Dinâmica" regional de aproveitamento, processamento e comercialização de produtos da sócio-biodiversidade, com ênfase nas frutas nativas.

 

8 - ORIGINALIDADE DA PRÁTICA

Trata-se como frisado anteriormente, de uma iniciativa original, não havendo até ao momento, referências apontando iniciativa similar no estado do Rio Grande do Sul.

A visitação decorre em qualquer época do ano, limitada a um número máximo de 30 pessoas.

Anexos:
Baixar este arquivo (Frutas_Nativas-2015 (1).pdf)Frutas_Nativas-2015 (1).pdf[ ]3336 kB
powered by contentmap
Valorização e Uso das Frutas Nativas para a Geração de Renda (13 C)

Valorização e Uso das Frutas Nativas para a Geração de Renda (13 C)

Os técnicos do CETAP, ao realizarem um trabalho de assessoria com o objetivo de contribuir para a afirmação da agricultura familiar e suas organizações, com um princípio de construção baseado em uma agricultura sustentável, dentro dos princípios da a ...

Vivência Solidária (VS): Vida em Comunidade (05 C)

Vivência Solidária (VS): Vida em Comunidade (05 C)

A legítima Vivência Solidária (VS) é aquela formada e exercida por certo número de pessoas que possuem os mesmos interesses e princípios e que estão dispostos a vivenciá-los numa vida em comum. Consiste inicialmente em colocar a disposição dos demais ...

Programa de Apicultura e Meliponicultura (10 C)

Programa de Apicultura e Meliponicultura (10 C)

Realizado em parceria com associações de apicultores, o Programa de Apicultura e Meliponicultura tem como objetivo apoiar as comunidades locais, proporcionando o uso racional da biodiversidade, aliado à preservação da natureza através do desenvolvime ...

Jovens Rurais em Movimento (PJRM) (06 C)

Jovens Rurais em Movimento (PJRM) (06 C)

O Projeto Jovens Rurais em Movimento busca o fortalecimento do tecido sócio-organizativo do território através do estímulo à participação jovem em fóruns próprios e instâncias territoriais de discussão e decisão. A essência do referido projeto foi a ...

Juventude Rural: Projeto Novos Rurais (03 C)

Juventude Rural: Projeto Novos Rurais (03 C)

O programa Novos Rurais é orientado a jovens formados por entidades de educação formal e contextualizadas ao campo que se tornam capazes de gerir projetos rurais sustentáveis, com o objetivo de criar estratégias de diversificação e pluriatividade. Ap ...

Turismo Rural na Agricultura Familiar: Acolhida na Colônia (09 C)

Turismo Rural na Agricultura Familiar: Acolhida na Colônia (09 C)

A Acolhida na Colônia é uma associação de agricultores familiares destinada ao desenvolvimento do agroturismo. Através dela, pequenos agricultores passaram a oferecer, em suas propriedades, atividades de hospedagem, alimentação, venda de produtos, la ...

Diversificação da Produção – Cantina de Vinho Colonial (11 C)

Diversificação da Produção – Cantina de Vinho Colonial (11 C)

A implantação da Cantina de Vinho Colonial na propriedade da família Dal Prá objetiva viabilizar técnica e economicamente a pequena propriedade familiar através da agregação de valor ao cultivo da uva, gerando renda com a comercialização do produto i ...

Consórcio Empresarial entre Cooperativas da Agricultura Familiar (16 C)

Consórcio Empresarial entre Cooperativas da Agricultura Familiar (16 C)

O Consórcio Empresarial entre Cooperativas da Agricultura Familiar visa à integração das Cooperativas da Agricultura Familiar em rede, em nível de Estado, com a finalidade de criar uma inter-relação entre as mesmas e o mercado, de forma organizada e ...

Sustentabilidade de Comunidades Indígenas (07 C)

Sustentabilidade de Comunidades Indígenas (07 C)

O projeto Sustentabilidade de Comunidades Indígenas tem o objetivo de promover a sustentabilidade do modo de vida Guarani das comunidades indígenas Tekoha Ocoy, no Município de São Miguel do Iguaçu, Tekoha Añetete e Tekoha Itamarã, ambas no Município ...

Inclusão Digital para a Juventude Rural – “De Olho na Terra” (15 C)

Inclusão Digital para a Juventude Rural – “De Olho na Terra” (15 C)

O projeto “De Olho na Terra” teve como objetivo a criação de um telecentro com internet banda larga, anexo ao centro comunitário do Assentamento da Reforma Agrária “Butiá”, localizado no distrito de Volta Grande, município de Rio Negrinho/SC. Atualme ...

Produção de Peixes em Nossas Águas (PPNA) (01 C)

Produção de Peixes em Nossas Águas (PPNA) (01 C)

O Programa "Produção de Peixe em Nossas Águas - PPNA" é uma prática desenvolvida pela ITAIPU Binacional que promove a inclusão social, valoriza os pescadores e melhora a qualidade de vida daqueles que tiram seu sustento das águas da Bacia do Paraná 3 ...

Produção de Olerícolas Orgânicas na Região Norte do Paraná (18 C)

Produção de Olerícolas Orgânicas na Região Norte do Paraná (18 C)

A prática apresenta trabalhos desenvolvidos ao longo de 16 anos com a produção de oleráceas em manejo orgânico na região norte do Paraná, com obtenção de produtividade e qualidade comparada e/ou superior à da agricultura convencional. Para essa reali ...

Projeto Hortas Comunitárias (20 C)

Projeto Hortas Comunitárias (20 C)

O projeto hortas comunitárias, desenvolvido desde 2001, é uma estratégia da Eletrosul para o gerenciamento das áreas de risco do sistema de operação de energia elétrica, por meio da conscientização das comunidades sobre os riscos da ocupação irregula ...

Habitação Rural: Projeto Caprichando a Morada (02 C)

Habitação Rural: Projeto Caprichando a Morada (02 C)

O “Caprichando a Morada” busca garantir de forma cooperada e solidária o acesso à moradia de qualidade para agricultores familiares através da sensibilização quanto aos programas habitacionais rurais, mobilização e inclusão dos agricultores no sistem ...

Comércio Justo de Produtos Orgânicos (19 C)

Comércio Justo de Produtos Orgânicos (19 C)

A prática apresenta as ações desenvolvidas pelo Laboratório de Mecanização Agrícola da Universidade Estadual de Ponta Grossa (Lama/UEPG) com o objetivo de fortalecer a cadeia sustentável de produtos orgânicos da região Centro-Oriental do Paraná com b ...

Certificação de Produtos Orgânicos Através de Sistemas Participativos de Garantia (21 C)

Certificação de Produtos Orgânicos Através de Sistemas Participativos de Garantia (21 C)

A experiência refere-se às ações desenvolvidas pela EMATER/RS-Ascar, em parceria com a AREDE e Rede Ecovida de Agroecologia – Núcleo Missões com o objetivo de contribuir com os agricultores familiares para a obtenção do Certificado de Conformidade Or ...

Produção e Uso de Biodiesel para Inclusão Social (08 C)

Produção e Uso de Biodiesel para Inclusão Social (08 C)

O projeto Biodiesel para Inclusão Social busca, através da disponibilidade de resíduos oleosos na região litorânea catarinense, aliar as atividades dos trabalhadores locais, que necessitam ampliar sua renda e que já estão inseridos na coleta e seleçã ...

Promoção do Turismo Rural na Agricultura Familiar: Caminho das Flores, Cores e Sabores (22 C)

Promoção do Turismo Rural na Agricultura Familiar: Caminho das Flores, Cores e Sabores (22 C)

O Caminho das Flores, Cores e Sabores é um roteiro turístico iniciado em 2008 no município de Ipiranga do Sul/RS. Atualmente, dispõe de nove propriedades que se destacam pelos belos jardins, cultivo de plantas medicinais, hortas e pomares. O roteiro ...

Organização dos Produtores de Laranja Através de Sistema Cooperativista (17 C)

Organização dos Produtores de Laranja Através de Sistema Cooperativista (17 C)

A laranja in natura é uma das alternativas de renda com viabilidade econômica na região de Nova América da Colina, possuindo expressivo mercado potencial, face à proximidade de grandes centros consumidores. No início dos anos 2000, técnicos da Emater ...

Produção Agroecológica Cooperativa (12 C)

Produção Agroecológica Cooperativa (12 C)

A partir da necessidade de construção de um ambiente sadio, limpo e harmônico com responsabilidade social, atendendo as demandas da cadeia produtiva com compromisso e qualidade, foi criada no ano de 2001 a Cooperativa de Produtores Ecologistas de Gar ...

Projeto Mulheres do Café (14 C)

Projeto Mulheres do Café (14 C)

Trata-se de uma metodologia inovadora de assistência técnica e extensão rural - ATER - junto a mulheres na agricultura familiar, com a finalidade de promover sua capacitação e organização produtiva na cultura do café. Garantindo adicionalmente a qual ...

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. 4
  5. 5
  6. 6
  7. 7