A partir da necessidade de construção de um ambiente sadio, limpo e harmônico com responsabilidade social, atendendo as demandas da cadeia produtiva com compromisso e qualidade, foi criada no ano de 2001 a Cooperativa de Produtores Ecologistas de Garibaldi - COOPEG, formada por pequenos agricultores familiares. A cooperativa tem sua atividade baseada na produção orgânica sem uso de agrotóxicos, aliando o saber popular da tradição italiana ao conhecimento técnico científico, contribuindo para o desenvolvimento social das famílias, para uma sociedade mais justa e um planeta mais limpo e sustentável, com incentivo a permanência do homem no campo.

 

Atualmente, a COOPEG conta com 46 cooperados, está presente em seis municípios e trabalha com foco na produção de sucos, vinhos, espumantes, doces de fruta e  hortifrutigranjeiros.

 

A - Informações gerais

 

INÍCIO: 06/2001 (em andamento)

ENTIDADE EXECUTORA: Cooperativa dos Produtores Ecologistas de Garibaldi - COOPEG

PARCEIROS: Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul FETAG-RS; Centro Ecológico IPÊ; Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Rio Grande do Sul - EMATER/ASCAR

APRESENTADO PORSalete Terezinha Arruda da Silva

RECURSOS: Próprios e de terceiros

FAIXA DE VALOR: Acima de U$25 mil

CATEGORIA: Unidade de Referência

ÁREA TEMÁTICA PRINCIPAL: Inclusão Sócio-Produtiva

PALAVRAS-CHAVE: Agricultura Familiar; Cooperativismo; Produção Orgânica; COOPEG

PÚBLICO-ALVO: Grupos de agricultores familiares e associação de produtores rurais inseridos da cadeia de produção orgânica

LOCALIZAÇÃO: Área rural

ABRANGÊNCIA GEOGRÁFICA: Microrregional

ÁREA ESPECÍFICA DE IMPLANTAÇÃO: Municípios de Garibaldi, Boa Vista do Sul, Barão, Bom Princípio, Carlos Barbosa, Farroupilha, Nova Petrópolis e Santa Teresa, no Estado do Rio Grande do Sul

 

 

B - Descrição da prática

 

1- ANTECEDENTES

A ideia da criação de uma cooperativa de produtores orgânicos surgiu da necessidade de mudança de atitudes referente ao uso de agrotóxicos. Dentre os atuais cooperados não eram raros os casos de intoxicação e problemas graves de saúde. Frente a esta realidade, os produtores locais buscavam alternativas para produzir alimentos mais saudáveis. 

Da mesma forma, havia na região um pequeno grupo de agricultores que já desenvolvia a produção orgânica de alimentos, porém tinha dificuldades com a comercialização da produção. Quando conseguiam comercializar seus produtos, em geral o retorno financeiro era baixo. A partir destas dificuldades, juntaram-se jovens, mulheres e várias famílias, que através de reuniões idealizaram a criação de uma cooperativa. 

Como todo empreendimento cooperativo, inicialmente identificou-se resistência por parte de alguns produtores quanto à adoção de algumas práticas agroecológicas. Muitos não acreditavam no sucesso do projeto, mas estas dificuldades iniciais foram sendo superadas à medida que a cooperativa foi se estruturando. 

 

2- OBJETIVO 

Viabilizar economicamente as pequenas propriedades rurais, com uma visão produtiva ecológica e sustentável, contribuindo com as gerações futuras e com a preservação do planeta.

Objetivos específicos:

  • Viabilizar economicamente a agricultura familiar; 
  • Acolher agricultores familiares que tenham interesse em agroecologia, auxiliando na manutenção do pequeno produtor no meio rural;
  • Incentivar a adoção de práticas produtivas ambientalmente adequadas;
  • Construir um ambiente sadio, limpo e harmônico com responsabilidade social.

 

3 - SOLUÇÃO ADOTADA

No ano de 1999 foi criada a Cooperativa dos Produtores Ecologistas de Garibaldi – COOPEG, constituída juridicamente em 25 de julho de 2001 com 31 associados. A Cooperativa contou com o apoio da EMATER/ASCAR através do fornecimento de assistência Técnica às propriedades, auxílio na elaboração e acompanhamento de projetos, cursos de associativismo, cooperativismo e relações humanas, assessoria no planejamento e Gestão da Cooperativa – principalmente para o Planejamento estratégico, revisão de estatuto social e regimento interno.  

Em seguida, partiu-se para o desenvolvimento de uma agroindústria que, de forma artesanal, transformasse a uva, principal matéria-prima produzida na região, em sucos, vinhos, espumantes e doces de qualidade superior. 

Algumas ações adotadas pela cooperativa podem ser destacadas, como:

- Certificação orgânica da matéria-prima beneficiada pela Cooperativa, com o apoio do Centro Ecológico Ipê, garantindo qualidade ao consumidor e agregando maior valor ao produto;

- Investimento, a partir de 2008, na diversificação das atividades, com produção de hortifrutigranjeiros orgânicos e ampla variedade de produtos; 

- As propriedades fornecedoras são acompanhadas desde a sua associação pelo convênio entre prefeituras municipais e o Centro Ecológico Ipê, uma ONG que presta serviços de assessoria técnica e organização da agricultura familiar, produção, processamento e comercialização de alimentos ecológicos;

- Divulgação das experiências em cooperativismo e produção orgânica desenvolvidas pela Cooperativa através das visitas externas, que são agendadas junto à diretoria, em feiras como Expointer, Afubra, Expodireto, Feisma, Expobento, Bionat, Festa da Uva, Expovale, Fenafra, Expotchê, com apoio da FETAG-RS;

- Colocação de produtos nas grandes redes nacionais, distribuidores, lojas especializadas, além do atendimento a alimentação escolar do Município de Garibaldi e região;

- Inserção da Cooperativa no roteiro de turismo rural (Estrada do Sabor), com intuito de atender turistas de todo o Brasil e do exterior;

- Implementação de modelo de gestão descentralizado, que tem como principal função favorecer a lucratividade do produtor, fazendo a distribuição de renda em cada venda efetuada;

- Implementação da identidade visual dos produtos da cooperativa, desenvolvida por meio de consultoria do SEBRAE no Rio Grande do Sul;

- Capacitação dos cooperados em custos e planejamento para aperfeiçoamento da gestão rural. 

 

4 - RESULTADOS ALCANÇADOS

- A COOPEG produz atualmente 108 mil litros de sucos de uva, 9 mil litros de vinhos, 1.100 litros de espumantes, 1.100  quilos de doces de frutas e 420 mil quilos de verduras e uva in natura por ano;

- Fechamento do ano de 2013 com receita bruta anual de R$2.920.000,00, quase o dobro da receita anual obtida em 2011;

- Colocação de produtos em mais de 10 estados brasileiros, com mercadorias diversificadas, fornecendo produtos para grandes redes, distribuidores, lojas especializadas, atendendo a alimentação escolar, do Município de Garibaldi e região. O suco de uva e o vinho com o selo COOPEG já ganhou as redes de supermercados do Rio Grande do Sul e de outros estados, como Rio de Janeiro e São Paulo, e os produtores estudam convites para exportar. A COOPEG também foi fornecedora de produtos para a Copa de 2014 dentro do projeto nacional Talentos do Brasil Rural;

- Geração de emprego e renda ao produtor rural, com consequente permanência do homem e do jovem no campo com o aumento das perspectivas de desenvolvimento. Além de seu quadro social, que atualmente conta com 46 produtores cooperados, a COOPEG conta com mais de 40 famílias envolvidas com produção orgânica certificada;

- Eliminação do uso de fungicidas, herbicidas, inseticidas e adubos químicos nas propriedades associadas, incentivando a produção agrícola sem uso de insumos artificiais, controlando pragas e doenças da forma mais natural possível;

- Aumento do valor agregado e da qualidade dos produtos, com respeito ao meio ambiente, atendendo a demanda crescente da sociedade;

- Conscientização da população rural envolvida quanto ao uso e conservação dos recursos naturais.

 

5 - RECURSOS NECESSÁRIOS

A COOPEG conta com uma estrutura física na sua Agro matriz de 140 m² e na sua Filial de 200m². Os recursos financeiros utilizados provêm de projetos e recursos próprios.

 Atuam junto a Cooperativa 1 técnico, que orienta os cooperados quanto a produção sem adubação química e controle de pragas e doenças sem o uso agrotóxicos, e mais 4 colaboradoras em sua estrutura administrativa composta pelos setores administrativo, financeiro e comercial.

A cooperativa possui diferentes áreas de produção orgânica, contando atualmente com 48 famílias associadas. Além de seu quadro social, conta com mais de 40 famílias envolvidas indiretamente.

 

6 - TRANSFERÊNCIA

A  Cooperativa recebe anualmente a visita de mais de 20 grupos de diversas localidades, para divulgação das experiências em cooperativismo e produção orgânica.  As atividades desenvolvidas pela COOPEG também estão sendo acompanhadas por uma equipe de estudos dentro da UFRGS Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 

 

7 - LIÇÕES APRENDIDAS

Durante o período inicial de criação da Cooperativa houve grande resistência  a adoção de práticas agroecológicas. Nesta época, a palavra "ecológico" era sinônimo de “ecochato”, e muitos não acreditavam na iniciativa de parar de aplicar agrotóxicos e passar a cultivar sem adubo químico. Os produtores convencionais consideravam os parreirais orgânicos sujos, porque o mato crescia próximo. Muitos quase desistiram, pois não é simples a conversão do sistema de produção tradicional para cultivo orgânico. 

Hoje, porém, em períodos de estiagem, o cultivo orgânico se destaca, pois toda a palhada mantida no solo mantém a umidade por mais tempo e isso beneficia o cultivo. Destaque também para a satisfação dos produtores por não necessitarem aplicar agrotóxicos no dia a dia. 

Atualmente há grande procura de novos associados para ingresso na Cooperativa, porém os critérios são rigorosos. O produtor associado não pode visar apenas o lucro, mas também compreender e adotar práticas agroecológicas que auxiliem na preservação do meio ambiente. Para isso, o produtor deve acompanhar por um ano as atividades da Cooperativa e conhecer todos os processos, do plantio à colheita, passando pelo processamento dos produtos.  

 

Há possibilidade de visita à prática em qualquer época, mediante agendamento.

 

 de visitantes: Até 30 pessoas. 

powered by contentmap
Organização dos Produtores de Laranja Através de Sistema Cooperativista (17 C)

Organização dos Produtores de Laranja Através de Sistema Cooperativista (17 C)

A laranja in natura é uma das alternativas de renda com viabilidade econômica na região de Nova América da Colina, possuindo expressivo mercado potencial, face à proximidade de grandes centros consumidores. No início dos anos 2000, técnicos da Emater ...

Projeto Mulheres do Café (14 C)

Projeto Mulheres do Café (14 C)

Trata-se de uma metodologia inovadora de assistência técnica e extensão rural - ATER - junto a mulheres na agricultura familiar, com a finalidade de promover sua capacitação e organização produtiva na cultura do café. Garantindo adicionalmente a qual ...

Vivência Solidária (VS): Vida em Comunidade (05 C)

Vivência Solidária (VS): Vida em Comunidade (05 C)

A legítima Vivência Solidária (VS) é aquela formada e exercida por certo número de pessoas que possuem os mesmos interesses e princípios e que estão dispostos a vivenciá-los numa vida em comum. Consiste inicialmente em colocar a disposição dos demais ...

Produção de Olerícolas Orgânicas na Região Norte do Paraná (18 C)

Produção de Olerícolas Orgânicas na Região Norte do Paraná (18 C)

A prática apresenta trabalhos desenvolvidos ao longo de 16 anos com a produção de oleráceas em manejo orgânico na região norte do Paraná, com obtenção de produtividade e qualidade comparada e/ou superior à da agricultura convencional. Para essa reali ...

Produção Agroecológica Cooperativa (12 C)

Produção Agroecológica Cooperativa (12 C)

A partir da necessidade de construção de um ambiente sadio, limpo e harmônico com responsabilidade social, atendendo as demandas da cadeia produtiva com compromisso e qualidade, foi criada no ano de 2001 a Cooperativa de Produtores Ecologistas de Gar ...

Habitação Rural: Projeto Caprichando a Morada (02 C)

Habitação Rural: Projeto Caprichando a Morada (02 C)

O “Caprichando a Morada” busca garantir de forma cooperada e solidária o acesso à moradia de qualidade para agricultores familiares através da sensibilização quanto aos programas habitacionais rurais, mobilização e inclusão dos agricultores no sistem ...

Programa de Apicultura e Meliponicultura (10 C)

Programa de Apicultura e Meliponicultura (10 C)

Realizado em parceria com associações de apicultores, o Programa de Apicultura e Meliponicultura tem como objetivo apoiar as comunidades locais, proporcionando o uso racional da biodiversidade, aliado à preservação da natureza através do desenvolvime ...

Sustentabilidade de Comunidades Indígenas (07 C)

Sustentabilidade de Comunidades Indígenas (07 C)

O projeto Sustentabilidade de Comunidades Indígenas tem o objetivo de promover a sustentabilidade do modo de vida Guarani das comunidades indígenas Tekoha Ocoy, no Município de São Miguel do Iguaçu, Tekoha Añetete e Tekoha Itamarã, ambas no Município ...

Promoção do Turismo Rural na Agricultura Familiar: Caminho das Flores, Cores e Sabores (22 C)

Promoção do Turismo Rural na Agricultura Familiar: Caminho das Flores, Cores e Sabores (22 C)

O Caminho das Flores, Cores e Sabores é um roteiro turístico iniciado em 2008 no município de Ipiranga do Sul/RS. Atualmente, dispõe de nove propriedades que se destacam pelos belos jardins, cultivo de plantas medicinais, hortas e pomares. O roteiro ...

Projeto Hortas Comunitárias (20 C)

Projeto Hortas Comunitárias (20 C)

O projeto hortas comunitárias, desenvolvido desde 2001, é uma estratégia da Eletrosul para o gerenciamento das áreas de risco do sistema de operação de energia elétrica, por meio da conscientização das comunidades sobre os riscos da ocupação irregula ...

Diversificação da Produção – Cantina de Vinho Colonial (11 C)

Diversificação da Produção – Cantina de Vinho Colonial (11 C)

A implantação da Cantina de Vinho Colonial na propriedade da família Dal Prá objetiva viabilizar técnica e economicamente a pequena propriedade familiar através da agregação de valor ao cultivo da uva, gerando renda com a comercialização do produto i ...

Comércio Justo de Produtos Orgânicos (19 C)

Comércio Justo de Produtos Orgânicos (19 C)

A prática apresenta as ações desenvolvidas pelo Laboratório de Mecanização Agrícola da Universidade Estadual de Ponta Grossa (Lama/UEPG) com o objetivo de fortalecer a cadeia sustentável de produtos orgânicos da região Centro-Oriental do Paraná com b ...

Juventude Rural: Projeto Novos Rurais (03 C)

Juventude Rural: Projeto Novos Rurais (03 C)

O programa Novos Rurais é orientado a jovens formados por entidades de educação formal e contextualizadas ao campo que se tornam capazes de gerir projetos rurais sustentáveis, com o objetivo de criar estratégias de diversificação e pluriatividade. Ap ...

Consórcio Empresarial entre Cooperativas da Agricultura Familiar (16 C)

Consórcio Empresarial entre Cooperativas da Agricultura Familiar (16 C)

O Consórcio Empresarial entre Cooperativas da Agricultura Familiar visa à integração das Cooperativas da Agricultura Familiar em rede, em nível de Estado, com a finalidade de criar uma inter-relação entre as mesmas e o mercado, de forma organizada e ...

Produção e Uso de Biodiesel para Inclusão Social (08 C)

Produção e Uso de Biodiesel para Inclusão Social (08 C)

O projeto Biodiesel para Inclusão Social busca, através da disponibilidade de resíduos oleosos na região litorânea catarinense, aliar as atividades dos trabalhadores locais, que necessitam ampliar sua renda e que já estão inseridos na coleta e seleçã ...

Jovens Rurais em Movimento (PJRM) (06 C)

Jovens Rurais em Movimento (PJRM) (06 C)

O Projeto Jovens Rurais em Movimento busca o fortalecimento do tecido sócio-organizativo do território através do estímulo à participação jovem em fóruns próprios e instâncias territoriais de discussão e decisão. A essência do referido projeto foi a ...

Inclusão Digital para a Juventude Rural – “De Olho na Terra” (15 C)

Inclusão Digital para a Juventude Rural – “De Olho na Terra” (15 C)

O projeto “De Olho na Terra” teve como objetivo a criação de um telecentro com internet banda larga, anexo ao centro comunitário do Assentamento da Reforma Agrária “Butiá”, localizado no distrito de Volta Grande, município de Rio Negrinho/SC. Atualme ...

Certificação de Produtos Orgânicos Através de Sistemas Participativos de Garantia (21 C)

Certificação de Produtos Orgânicos Através de Sistemas Participativos de Garantia (21 C)

A experiência refere-se às ações desenvolvidas pela EMATER/RS-Ascar, em parceria com a AREDE e Rede Ecovida de Agroecologia – Núcleo Missões com o objetivo de contribuir com os agricultores familiares para a obtenção do Certificado de Conformidade Or ...

Valorização e Uso das Frutas Nativas para a Geração de Renda (13 C)

Valorização e Uso das Frutas Nativas para a Geração de Renda (13 C)

Os técnicos do CETAP, ao realizarem um trabalho de assessoria com o objetivo de contribuir para a afirmação da agricultura familiar e suas organizações, com um princípio de construção baseado em uma agricultura sustentável, dentro dos princípios da a ...

Produção de Peixes em Nossas Águas (PPNA) (01 C)

Produção de Peixes em Nossas Águas (PPNA) (01 C)

O Programa "Produção de Peixe em Nossas Águas - PPNA" é uma prática desenvolvida pela ITAIPU Binacional que promove a inclusão social, valoriza os pescadores e melhora a qualidade de vida daqueles que tiram seu sustento das águas da Bacia do Paraná 3 ...

Turismo Rural na Agricultura Familiar: Acolhida na Colônia (09 C)

Turismo Rural na Agricultura Familiar: Acolhida na Colônia (09 C)

A Acolhida na Colônia é uma associação de agricultores familiares destinada ao desenvolvimento do agroturismo. Através dela, pequenos agricultores passaram a oferecer, em suas propriedades, atividades de hospedagem, alimentação, venda de produtos, la ...

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. 4
  5. 5
  6. 6
  7. 7