O Programa "Produção de Peixe em Nossas Águas - PPNA" é uma prática desenvolvida pela ITAIPU Binacional que promove a inclusão social, valoriza os pescadores e melhora a qualidade de vida daqueles que tiram seu sustento das águas da Bacia do Paraná 3. Contempla o atendimento a seis colônias e quatro associações de pescadores profissionais artesanais, com aproximadamente 850 profissionais e 153 famílias. Possui foco na inclusão social, com o intuito de qualificar os pescadores profissionais para tornarem-se aquicultores.  

 

 

O programa, que objetiva atender 5% do mercado de peixe da região da Bacia do Paraná III em 5 anos com incremento produtivo anual projetado a uma taxa de 10%, permanece em fase de desenvolvimento. Todavia, a produção em tanque rede foi na ordem de 100 toneladas em 2013 e de 145 toneladas em 2014, um aumento acima do projetado para o período.   

 

A - Informações gerais

 

INÍCIO: janeiro de 2003 (em andamento)

ENTIDADE EXECUTORA: ITAIPU Binacional

PARCEIROS: Ministério da Pesca e Aquicultura - MPA; Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural - EMATER; Grupo de Estudos de Manejo na Aquicultura da Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE/GEMAQ; Instituto Federal do Paraná - IFPR; Instituto Ambiental do Paraná - IAP; Instituto Brasileiro do Meio Ambiente - IBAMA; Empresa Palmares; Prefeituras Municipais de Foz do Iguaçu, Santa Terezinha de Itaipu, São Miguel do Iguaçu, Itaipulândia, Santa Helena, Entre Rios do Oeste, Marechal Cândido Rondon e Mercedes

APRESENTADO POR: Celso Buglione Neto

RECURSOS: Próprios e de terceiros

FAIXA DE VALOR: Acima de U$25.000,00  

CATEGORIA: Projetos

ÁREA TEMÁTICA PRINCIPAL: Inclusão sócio-produtiva

PALAVRAS-CHAVE: Aquicultura; Pesca; Inclusão Social; Segurança Alimentar; ITAIPU Binacional; Usina Hidrelétrica; Reservatório; Pesca Artesanais; Produção de Alimentos.

PÚBLICO-ALVO: Pescadores artesanais, indígenas e assentados organizados em colônias, associações ou cooperativas

LOCALIZAÇÃO: Tributários da margem direita do reservatório de Itaipu, em áreas e parques aquícolas. 

ABRANGÊNCIA GEOGRÁFICA: Microrregional (Municípios de Foz do Iguaçu, Santa Terezinha de Itaipu, São Miguel do Iguaçu, Missal, Itaipulândia, Santa Helena, Entre Rios do Oeste, Pato Bragado, Marechal Cândido Rondon, Mercedes e Guaíra)

 

 

B - Descrição da prática

 

1 - ANTECEDENTES

O Brasil tem um potencial pesqueiro como poucos países do mundo, pela quantidade de águas marítimas e continentais, entre elas os numerosos reservatórios de hidrelétricas, como o de Itaipu. Seguindo a orientação governamental, a nova missão da Itaipu ampliou a atuação da empresa, que passou a incluir a responsabilidade social e ambiental. 

Desde a formação do reservatório da Itaipu, em 1982, a população de pescadores residentes entre Foz do Iguaçu e Guaíra saltou de 200 para quase 800 famílias. Além desses pescadores artesanais, que dependem da pesca para sobreviver, a região abriga ainda comunidades indígenas, agricultores assentados e ribeirinhos que veem na atividade uma alternativa para complementar a renda familiar. No início da última década, estudos socioeconômicos apontavam que 94% dos pescadores possuíam renda mensal inferior a 2 salários; o pescador aquicultor poderia contribuir para o aumento da produção pesqueira reduzindo a pressão da pesca extrativista sobre os estoques naturais; havia um expressivo aumento na demanda de pescado no Brasil; a produtividade da pesca extrativista no reservatório de Itaipu mantinha-se estabilizada; e entrava em pauta a política do governo federal de incentivo a produção em reservatórios. Aliado a estes pontos, havia a necessidade de colocar em prática ações em favor das comunidades pesqueiras e indígenas da Bacia do Paraná III. 

Neste sentido a Binacional incorporou políticas públicas voltadas à aquicultura e à pesca em seu reservatório. Assim, no ano de 2003 foi implementado o projeto de cultivo de peixes em tanques rede, uma das ações que fazem parte do programa Cultivando Água Boa.

 

2 - OBJETIVO GERAL

O PPNA tem como objetivo principal promover a inclusão social e melhoria na qualidade de vida dos pescadores, assentados e Indígenas por meio do fomento a cadeia produtiva de pescado sustentável na área do reservatório da usina. 

Objetivos específicos:

- Aumentar o numero de pescadores aquicultores na área de entorno do reservatório da usina;

- Melhorar as condições de trabalho dos pescadores, as condições de abate e comercialização do pescado;

- Estabelecer parcerias para cursos de treinamento e capacitação do público-alvo;

- Pesquisar melhores técnicas de manejo e cultivo de peixes;

- Licenciar as áreas destinadas à aquicultura e piscicultura;

- Fomentar o cooperativismo;

- Apoiar e divulgar os meios de comercialização da produção.

 

3 - SOLUÇÃO ADOTADA

O programa desenvolve diversas atividades na consecução de seus objetivos, algumas delas em conjunto com outras ações do Cultivando Água Boa. São elas:

• Organização do público alvo em associações ou cooperativas;

Promoção e apoio à aquicultura regional, com a implantação de tanques-rede e atividades de capacitação voltadas aos pescadores artesanais, comunidades indígenas, assentamentos e comunidades ribeirinhas;

• Criação de parques aquícolas com o objetivo de garantir a sustentabilidade do projeto e atender à legislação vigente;

• Adequação dos pontos de pesca, onde os pescadores podem manejar o pescado em melhores condições de higiene;

• Monitoramento da pesca profissional e esportiva;

• Desenvolvimento de pesquisas e estudos em aquicultura mediante convênios com órgãos governamentais e instituições de ensino superior;

• Resgate de peixes nas unidades geradoras da usina;

• Disponibilização de máquina desossadeira de peixes, o que permite aos pescadores oferecer sua produção para a inclusão na merenda escolar, mercado consumidor anteriormente não atendido em virtude da presença de espinhas nos peixes;

• Criação de Banco de Germoplasma;

• Construção do Canal da Piracema e realização de estudos de migração de peixes.

Todas as ações do programa são desenvolvidas de forma compartilhada, mediante parcerias e convênios. Um comitê gestor, formado por representantes das principais entidades ligadas ao programa, gerencia e debate as demandas e propostas de atividades. Atualmente, o comitê é formado por colônias e associações de pescadores da Bacia do Paraná 3, Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural - EMATER, Instituto Ambiental do Paraná - IAP, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente - IBAMA, Ministério da Pesca e Aquicultura - MPA, Ministério da Agricultura - MAPA, ITAIPU Binacional, universidades, sindicatos e prefeituras locais.

 

4 - RESULTADOS ALCANÇADOS 

Os principais resultados já alcançados pelo programa são:

- Disponibilização de mais de 500 tanques-rede às colônias de pescadores para o cultivo de peixes (piscicultura), juntamente com um trabalho de capacitação e orientação técnica. Atualmente 26 pescadores em diferentes municípios da BP3 participam diretamente do projeto, cultivando peixes em tanques-rede no reservatório de Itaipu. A produção dos anos de 2013/2014 foi estimada em 145.000 kg de peixes; 

- Instalação de 40 tanques-rede na comunidade indígena de Ocoy, em atendimento à solicitação da Funai e dos próprios índios. Os tanques têm produção anual aproximada de 12 toneladas de peixes, contribuindo com a segurança alimentar da aldeia;

- Produção de mais de 50 mil peixes juvenis da espécie pacu, para povoamento dos tanques-rede;

- Capacitação de mais de 200 pescadores e suas famílias no cultivo de peixes em tanque-rede; 

- Licenciamento ambiental junto ao Ibama para compatibilizar a grande faixa de preservação permanente que protege as margens do reservatório com a atividade pesqueira. São 63 pontos de pesca, situados entre Foz do Iguaçu e Guaíra, com capacidade de atendimento a aproximadamente 630 pescadores com abrigo; todavia os demais pescadores podem acessar estes mesmos pontos para o desenvolvimento da atividade pesqueira;

- Edição e distribuição de mais de 2 mil exemplares da cartilha Boas Práticas de Manejo em Aquicultura;

- Demarcação e licenciamento de três parques aquícolas, que juntos têm potencial para produzir mais de 6 mil toneladas de peixe por ano. Esses parques, os primeiros do país, foram fundamentais para garantir a sustentabilidade do projeto, além de respeitar a legislação vigente para o cultivo de peixes;

- Estruturação e manutenção de uma estação de pesquisa com 70 tanques-rede no Refúgio Biológico Santa Helena, onde foram desenvolvidas pesquisas de espécies nativas por 4 anos, por meio de um convênio entre Itaipu e a Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Unioeste. Atualmente Itaipu mantém ainda uma estação dentro da usina com 90 tanques-rede e um laboratório. As pesquisas permitem revelar a rotina do aquicultor, gerando conhecimento prático para o aperfeiçoamento das técnicas de cultivo;

- Construção de um módulo de uso coletivo para manejo primário do pescado em 15 pontos de pesca em parceria com as prefeituras municipais, proporcionando melhores condições de higiene e limpeza;

- Parceria com a empresa Palmares para o desenvolvimento de um estudo nos 18 braços restantes na margem brasileira do reservatório. Esse trabalho de mapeamento possibilitou o conhecimento de todas as áreas que poderão ser licenciadas para a aquicultura. Estima-se que, somente nessa área mapeada, o potencial de produção é de 9 mil toneladas por ano, o que significa aumentar em nove vezes a produção atual da pesca artesanal.

 

5 - RECURSOS NECESSÁRIOS

 Para a implantação do projeto são necessários profissionais (técnicos e engenheiros) com especialização em aquicultura e ou piscicultura em tanques-rede.

Quanto à infraestrutura, é necessária a construção de um laboratório de apoio servindo como base demonstrativa, barcos para o deslocamento até as áreas de criação, manutenção de tanques-rede, balanças, puças, equipamentos para mensuração de parâmetros de qualidade de água, balsa de manejo de tanques rede, boias de sinalização náutica, tanques-rede e tanques-berçário para estocagem de alevinos.

 

6 - TRANSFERÊNCIAS

A prática esta sendo replicada nas colônias de pesca e associações de pescadores parceiras do PPNA. Anualmente são feitas reuniões de avaliação e de planejamento produtivo. Mensalmente cada produtor passa as informações de produção, sob as quais os técnicos avaliam o desempenho e a necessidade de visita local visando orientar tecnicamente cada caso. 

Além disso, grupos de pescadores interessados em iniciar a atividade produtiva de peixes em tanques-rede são treinados através de cursos de capacitação com foco nesse tipo produção. Esses cursos são oferecidos através de parcerias da Itaipu com a Unioeste e o Instituto Federal do Paraná - IFPR.  

 

7 - LIÇÕES APRENDIDAS

O grande desafio do projeto foi a transformação do pescador extrativista em aquicultor produtor de pescado. Isso foi possível por meio de cursos de treinamento e capacitação teórico/pratico com duração de 40 horas. Assim, o modelo de extensão utilizado deve ser horizontal, tornando o pescador agente da sua própria transformação e também um agente de difusão tecnológica para os demais, que tomam este como referência. Para isso, devemos respeitar as limitações individuais e aproveitar suas aptidões. 

O sucesso de pescadores que se tornaram produtores serve de exemplo aos demais e estimula a participação de novos pescadores no programa.

 

Há possibilidade de visita à prática mediante agendamento prévio, com prioridade para o período da Piracema, que ocorre entre os meses de novembro e abril. 

 

 de visitantes: de 01 a 30. 

powered by contentmap
Produção de Olerícolas Orgânicas na Região Norte do Paraná (18 C)

Produção de Olerícolas Orgânicas na Região Norte do Paraná (18 C)

A prática apresenta trabalhos desenvolvidos ao longo de 16 anos com a produção de oleráceas em manejo orgânico na região norte do Paraná, com obtenção de produtividade e qualidade comparada e/ou superior à da agricultura convencional. Para essa reali ...

Produção e Uso de Biodiesel para Inclusão Social (08 C)

Produção e Uso de Biodiesel para Inclusão Social (08 C)

O projeto Biodiesel para Inclusão Social busca, através da disponibilidade de resíduos oleosos na região litorânea catarinense, aliar as atividades dos trabalhadores locais, que necessitam ampliar sua renda e que já estão inseridos na coleta e seleçã ...

Produção Agroecológica Cooperativa (12 C)

Produção Agroecológica Cooperativa (12 C)

A partir da necessidade de construção de um ambiente sadio, limpo e harmônico com responsabilidade social, atendendo as demandas da cadeia produtiva com compromisso e qualidade, foi criada no ano de 2001 a Cooperativa de Produtores Ecologistas de Gar ...

Consórcio Empresarial entre Cooperativas da Agricultura Familiar (16 C)

Consórcio Empresarial entre Cooperativas da Agricultura Familiar (16 C)

O Consórcio Empresarial entre Cooperativas da Agricultura Familiar visa à integração das Cooperativas da Agricultura Familiar em rede, em nível de Estado, com a finalidade de criar uma inter-relação entre as mesmas e o mercado, de forma organizada e ...

Comércio Justo de Produtos Orgânicos (19 C)

Comércio Justo de Produtos Orgânicos (19 C)

A prática apresenta as ações desenvolvidas pelo Laboratório de Mecanização Agrícola da Universidade Estadual de Ponta Grossa (Lama/UEPG) com o objetivo de fortalecer a cadeia sustentável de produtos orgânicos da região Centro-Oriental do Paraná com b ...

Projeto Mulheres do Café (14 C)

Projeto Mulheres do Café (14 C)

Trata-se de uma metodologia inovadora de assistência técnica e extensão rural - ATER - junto a mulheres na agricultura familiar, com a finalidade de promover sua capacitação e organização produtiva na cultura do café. Garantindo adicionalmente a qual ...

Turismo Rural na Agricultura Familiar: Acolhida na Colônia (09 C)

Turismo Rural na Agricultura Familiar: Acolhida na Colônia (09 C)

A Acolhida na Colônia é uma associação de agricultores familiares destinada ao desenvolvimento do agroturismo. Através dela, pequenos agricultores passaram a oferecer, em suas propriedades, atividades de hospedagem, alimentação, venda de produtos, la ...

Juventude Rural: Projeto Novos Rurais (03 C)

Juventude Rural: Projeto Novos Rurais (03 C)

O programa Novos Rurais é orientado a jovens formados por entidades de educação formal e contextualizadas ao campo que se tornam capazes de gerir projetos rurais sustentáveis, com o objetivo de criar estratégias de diversificação e pluriatividade. Ap ...

Habitação Rural: Projeto Caprichando a Morada (02 C)

Habitação Rural: Projeto Caprichando a Morada (02 C)

O “Caprichando a Morada” busca garantir de forma cooperada e solidária o acesso à moradia de qualidade para agricultores familiares através da sensibilização quanto aos programas habitacionais rurais, mobilização e inclusão dos agricultores no sistem ...

Vivência Solidária (VS): Vida em Comunidade (05 C)

Vivência Solidária (VS): Vida em Comunidade (05 C)

A legítima Vivência Solidária (VS) é aquela formada e exercida por certo número de pessoas que possuem os mesmos interesses e princípios e que estão dispostos a vivenciá-los numa vida em comum. Consiste inicialmente em colocar a disposição dos demais ...

Diversificação da Produção – Cantina de Vinho Colonial (11 C)

Diversificação da Produção – Cantina de Vinho Colonial (11 C)

A implantação da Cantina de Vinho Colonial na propriedade da família Dal Prá objetiva viabilizar técnica e economicamente a pequena propriedade familiar através da agregação de valor ao cultivo da uva, gerando renda com a comercialização do produto i ...

Certificação de Produtos Orgânicos Através de Sistemas Participativos de Garantia (21 C)

Certificação de Produtos Orgânicos Através de Sistemas Participativos de Garantia (21 C)

A experiência refere-se às ações desenvolvidas pela EMATER/RS-Ascar, em parceria com a AREDE e Rede Ecovida de Agroecologia – Núcleo Missões com o objetivo de contribuir com os agricultores familiares para a obtenção do Certificado de Conformidade Or ...

Sustentabilidade de Comunidades Indígenas (07 C)

Sustentabilidade de Comunidades Indígenas (07 C)

O projeto Sustentabilidade de Comunidades Indígenas tem o objetivo de promover a sustentabilidade do modo de vida Guarani das comunidades indígenas Tekoha Ocoy, no Município de São Miguel do Iguaçu, Tekoha Añetete e Tekoha Itamarã, ambas no Município ...

Projeto Hortas Comunitárias (20 C)

Projeto Hortas Comunitárias (20 C)

O projeto hortas comunitárias, desenvolvido desde 2001, é uma estratégia da Eletrosul para o gerenciamento das áreas de risco do sistema de operação de energia elétrica, por meio da conscientização das comunidades sobre os riscos da ocupação irregula ...

Produção de Peixes em Nossas Águas (PPNA) (01 C)

Produção de Peixes em Nossas Águas (PPNA) (01 C)

O Programa "Produção de Peixe em Nossas Águas - PPNA" é uma prática desenvolvida pela ITAIPU Binacional que promove a inclusão social, valoriza os pescadores e melhora a qualidade de vida daqueles que tiram seu sustento das águas da Bacia do Paraná 3 ...

Valorização e Uso das Frutas Nativas para a Geração de Renda (13 C)

Valorização e Uso das Frutas Nativas para a Geração de Renda (13 C)

Os técnicos do CETAP, ao realizarem um trabalho de assessoria com o objetivo de contribuir para a afirmação da agricultura familiar e suas organizações, com um princípio de construção baseado em uma agricultura sustentável, dentro dos princípios da a ...

Jovens Rurais em Movimento (PJRM) (06 C)

Jovens Rurais em Movimento (PJRM) (06 C)

O Projeto Jovens Rurais em Movimento busca o fortalecimento do tecido sócio-organizativo do território através do estímulo à participação jovem em fóruns próprios e instâncias territoriais de discussão e decisão. A essência do referido projeto foi a ...

Programa de Apicultura e Meliponicultura (10 C)

Programa de Apicultura e Meliponicultura (10 C)

Realizado em parceria com associações de apicultores, o Programa de Apicultura e Meliponicultura tem como objetivo apoiar as comunidades locais, proporcionando o uso racional da biodiversidade, aliado à preservação da natureza através do desenvolvime ...

Organização dos Produtores de Laranja Através de Sistema Cooperativista (17 C)

Organização dos Produtores de Laranja Através de Sistema Cooperativista (17 C)

A laranja in natura é uma das alternativas de renda com viabilidade econômica na região de Nova América da Colina, possuindo expressivo mercado potencial, face à proximidade de grandes centros consumidores. No início dos anos 2000, técnicos da Emater ...

Inclusão Digital para a Juventude Rural – “De Olho na Terra” (15 C)

Inclusão Digital para a Juventude Rural – “De Olho na Terra” (15 C)

O projeto “De Olho na Terra” teve como objetivo a criação de um telecentro com internet banda larga, anexo ao centro comunitário do Assentamento da Reforma Agrária “Butiá”, localizado no distrito de Volta Grande, município de Rio Negrinho/SC. Atualme ...

Promoção do Turismo Rural na Agricultura Familiar: Caminho das Flores, Cores e Sabores (22 C)

Promoção do Turismo Rural na Agricultura Familiar: Caminho das Flores, Cores e Sabores (22 C)

O Caminho das Flores, Cores e Sabores é um roteiro turístico iniciado em 2008 no município de Ipiranga do Sul/RS. Atualmente, dispõe de nove propriedades que se destacam pelos belos jardins, cultivo de plantas medicinais, hortas e pomares. O roteiro ...

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. 4
  5. 5
  6. 6
  7. 7