O programa Novos Rurais é orientado a jovens formados por entidades de educação formal e contextualizadas ao campo que se tornam capazes de gerir projetos rurais sustentáveis, com o objetivo de criar estratégias de diversificação e pluriatividade. Aplicado em parceria com entidades de educação do campo, o programa oferece novas habilidades e competências aos jovens participantes, transformando-os em agentes capazes de agregar valor aos produtos e serviços da agricultura familiar.

 


Em 2013, o programa foi aplicado nos três estados da Região Sul, alcançando 31 municípios, 24 territórios, 31 unidades de ensino, 55 educadores/monitores capacitados e 380 jovens capacitados.

 

A - Informações gerais

 

INÍCIO: abril de 2012 (em andamento)

ENTIDADE EXECUTORA: Instituto Souza Cruz

ENTIDADES CO-EXECUTORAS: Associação Regional das Casas Familiares Rurais do Sul do Brasil - Arcafar-Sul; Centro de Desenvolvimento do Jovem Rural - Cedejor; União das Associações dos Agricultores de Ituporanga - Uniagri; e Escola Técnica Estadual de Canguçu - ETEC

APRESENTADO POR: Guilherme Mattoso

RECURSOS: Próprios 

FAIXA DE VALOR: Até US$ 5 mil 

CATEGORIA: Projetos

ÁREA TEMÁTICA PRINCIPAL: Inclusão sócio-produtiva

PALAVRAS-CHAVE: Educação do Campo, Diversificação, Agricultura Familiar, Empreendedorismo Rural, Arcafar, UFSC, Juventude Rural

PÚBLICO-ALVO: Entidades de educação formal contextualizadas ao campo e organizações do terceiro setor ligadas a projetos de educação do campo. Beneficiários diretos: jovens rurais em formação e/ou egressos das instituições supracitadas. 

LOCALIZAÇÃO: Área rural

ABRANGÊNCIA GEOGRÁFICA: Região Sul

ÁREA ESPECÍFICA DE IMPLANTAÇÃO: Municípios envolvidos no programa com unidades de referência implantadas por estado:

1) Paraná: Bom Jesus do Sul; Cândido de Abreu; Capanema; Chopinzinho; Guamiranga; Marmeleiro; Nova Laranjeiras; Nova Prata do Iguaçu; Paulo Frontin; Pitanga; Reserva; Sapopema; Tibagi; Três Barras do Paraná.

2) Santa Catarina: Caibi; Cerro Negro; Guaraciaba; Iporã do Oeste; Ituporanga; Lauro Müller; Quilombo; Modelo; Riqueza; São José do Cedro; Saudades; Seara; Xaxim.

3) Rio Grande do Sul: Alpestre; Canguçu; Catuípe; Frederico Westphalen.

 

 

B - Descrição da prática

 

1- ANTECEDENTES

A perda de um dos mais importantes ativos do campo, a juventude, tem se configurado em um dos principais desafios dos pequenos empreendimentos rurais. Neste cenário, torna-se estratégico dotar os jovens de ferramentas e instrumentos capazes de viabilizá-los enquanto agentes sociais, com potencial de alavancar melhores condições de vida para suas comunidades, gerando renda e tornando-se agentes do desenvolvimento rural.

Os atores envolvidos na concepção do programa foram a Associação Regional das Casas Familiares do Sul do Brasil, principal parceira desde o projeto piloto em 2011, o Instituto Bélgica Nova Friburgo e o Programa Rio Rural da Secretaria de Agricultura e Pecuária do Estado do Rio de Janeiro.

A ideia surgiu a partir da necessidade de apoio aos projetos dos jovens que estudam nessas entidades de ensino formal ligadas à educação do campo. E a dificuldade no acesso às políticas públicas, como o PRONAF Jovem. O programa foi pensado para atender essa necessidade de apoio para a implementação dos empreendimentos rurais em suas propriedades.

 

2- OBJETIVO GERAL

Trabalhar com os jovens rurais oportunidades para permanência no campo; proporcionar a formação complementar nas escolas de educação do campo; Fomentar as estratégias de diversificação e inovação; possibilitar a replicação de boas práticas a partir de unidades de referência; fomentar práticas de sustentabilidade e reprodução da agricultura familiar.

 

3 - SOLUÇÃO ADOTADA

A prática foi pensada a partir da necessidade de atualização dos programas do Instituto Souza Cruz. A boa prática atua na formação empreendedora de jovens rurais, que frequentam o ensino formal em escolas do campo, e no apoio à implementação de projetos, duas dificuldades encontradas pelas organizações parceiras em reuniões realizadas durante o período de idealização do programa.

O Novos Rurais acontece em duas fases, na primeira os jovens do terceiro ano do Ensino Médio das organizações parceiras participam de três módulos de formação, orientados por um livro didático especialmente desenvolvido para o programa, em parceria com professores da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), com os seguintes conteúdos:

MÓDULO 1 - Novo rural como ambiente e agricultura familiar como suporte para empreendimentos de jovens rurais (40 horas)

MÓDULO 2 - Empreendimentos de jovens rurais, cenários, possibilidades e oportunidades (40 horas)

MÓDULO 3 - Jovem rural que planeja e elabora projetos: da ideia ao empreendimento (40 horas)

Na segunda fase (40 horas), são selecionados um número de jovens, daqueles que participaram da formação, aptos para transformar seus projetos de empreendedorismo, já elaborados no Ensino Médio, em unidades de referência. O objetivo é que estes novos empreendimentos, implantados nas propriedades rurais dos educandos, tornem-se unidades de referência para as comunidades onde estão inseridos. 

Os critérios de seleção para a implementação das unidades de referência são: projetos profissionais que visem à diversificação, à criação de empreendimentos de pequeno porte ou à melhoria de produtos ou processos na propriedade; participação do jovem em todos os módulos de formação e aprovação em comissão composta por professores ou monitores locais e representantes do Instituto Souza Cruz.

Os recursos financeiros para implementação das unidades de referência e o combustível para acompanhamento dessas unidades pelos educadores da organização são disponibilizados pelo Instituto Souza Cruz. Como contrapartida as organizações disponibilizam um educador que ministrará os módulos, ajudará na seleção dos projetos e na implementação das Unidades de Referência nas propriedades dos jovens.

 

4 - RESULTADOS ALCANÇADOS

Ao conciliar módulos de formação e implantação de Unidades de Referência com função pedagógica, o programa confirmou a capacidade inovadora da agricultura familiar a partir das novas culturas introduzidas pelos rapazes e moças em suas propriedades, entre prestação de serviços, inovações técnicas e produção de alimentos. Além de beneficiar as próprias famílias, o programa impactou também as comunidades rurais onde os jovens estão inseridos, já que os resultados práticos motivaram outros agricultores a buscarem na diversificação o caminho para a geração de renda e a segurança alimentar.

A partir da sua metodologia, o Novos Rurais trouxe inovação para diferentes contextos socioculturais do campo brasileiro. Os dados apresentados a seguir oferecem uma ampla visão do alcance do programa e de seus múltiplos parceiros.

Resultados efetivos:

  • 3 estados envolvidos (Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná)
  • 31 municípios
  • 24 territórios (conjunto de municípios unidos pelo mesmo perfil econômico e ambiental)
  • 31 unidades de ensino que recebem o projeto (casas familiares rurais / centros de formação)
  • 55 educadores/monitores capacitados através de oficinas específicas realizadas anualmente
  • 380 jovens capacitados nos 3 módulos de formação
  • 183 Unidades de referência implantadas (com destaque para as atividades de hortifruticultura, bovinocultura, avicultura e piscicultura), sendo 74 no Paraná, 77 em Santa Catarina e 32 no Rio Grande do Sul

 

5 - RECURSOS NECESSÁRIOS

Equipe: educador/monitor responsável pela formação dos módulos e implementação dos projetos; coordenador de acompanhamento à distância e presencial; Experiência em educação do campo.

Infraestrutura e equipamentos: Escritório, sala de formação, computadores com internet para envio dos indicadores de processos e resultados, fotografias da implementação das Unidades de Referência.

 

Os dados citados acima são referentes à contrapartida das organizações que aplicam o programa.

 

 

6 - TRANSFERÊNCIA

O programa Novos Rurais também é aplicado em outros três estados: em Pernambuco e Ceará o programa é implantado em parceria com as organizações Serviço de Tecnologia Alternativa (Serta) e Agência de Desenvolvimento Econômico Local (Adel), respectivamente. No Rio de Janeiro, o programa conta com a parceria do Instituto Bélgica-Nova Friburgo (Ibelga) e da Secretaria de Agricultura e Pecuária do Estado do Rio de Janeiro (SEAPEC), por meio do Programa de Desenvolvimento Rural Sustentável em Microbacias Hidrográficas do Estado do Rio de Janeiro (Rio Rural).

 

7 - LIÇÕES APRENDIDAS

 Ao conciliar módulo de formação e o repasse de recurso (a fundo perdido) para a implementação das unidades de referência, o programa Novos Rurais alcança a maior parte dos objetivos a que se propõe, tais como incentivar o jovem a permanecer no meio rural, fomentar a diversificação e gerar renda extra para a família.

Fatores de Sucesso:

- Elaboração do programa Novos Rurais de forma participativa com as organizações parceiras;

- Alinhamento da metodologia e cronograma com as organizações parceiras, de forma complementar à formação dos jovens; 

- Apoio técnico e financeiro na elaboração e implementação das Unidades de Referência; 

- Seminário de formação dos educadores com o alinhamento metodológico e de processo de implementação do Novos Rurais.

Entraves e soluções:

- Assistência técnica nas propriedades dos jovens de forma regular: envolvimento com os educadores que participam do programa para que eles orientem os jovens de forma mais qualificada;

- Expectativa dos jovens de geração de renda em curto prazo com a Unidade de Referência: orientação para projetos de baixo custo e implementação em curto/médio prazo;

- Envolvimento das famílias na implementação dos projetos: visitas realizadas às famílias durante a implantação das unidades de referência, bem como a realização de seminários de avaliação, com a participação dos pais e comunidade;

- Custo elevado da mão-de-obra para construção/reformas: orientação à adaptação do orçamento às possibilidades de cada família, além do incentivo à busca de parcerias em prefeituras, órgãos de assistência técnica, entre outros.

 

Há possibilidade de visita à prática mediante consulta com as respectivas organizações participantes do programa Novos Rurais.

 

 

powered by contentmap
Diversificação da Produção – Cantina de Vinho Colonial (11 C)

Diversificação da Produção – Cantina de Vinho Colonial (11 C)

A implantação da Cantina de Vinho Colonial na propriedade da família Dal Prá objetiva viabilizar técnica e economicamente a pequena propriedade familiar através da agregação de valor ao cultivo da uva, gerando renda com a comercialização do produto i ...

Projeto Mulheres do Café (14 C)

Projeto Mulheres do Café (14 C)

Trata-se de uma metodologia inovadora de assistência técnica e extensão rural - ATER - junto a mulheres na agricultura familiar, com a finalidade de promover sua capacitação e organização produtiva na cultura do café. Garantindo adicionalmente a qual ...

Certificação de Produtos Orgânicos Através de Sistemas Participativos de Garantia (21 C)

Certificação de Produtos Orgânicos Através de Sistemas Participativos de Garantia (21 C)

A experiência refere-se às ações desenvolvidas pela EMATER/RS-Ascar, em parceria com a AREDE e Rede Ecovida de Agroecologia – Núcleo Missões com o objetivo de contribuir com os agricultores familiares para a obtenção do Certificado de Conformidade Or ...

Produção e Uso de Biodiesel para Inclusão Social (08 C)

Produção e Uso de Biodiesel para Inclusão Social (08 C)

O projeto Biodiesel para Inclusão Social busca, através da disponibilidade de resíduos oleosos na região litorânea catarinense, aliar as atividades dos trabalhadores locais, que necessitam ampliar sua renda e que já estão inseridos na coleta e seleçã ...

Produção Agroecológica Cooperativa (12 C)

Produção Agroecológica Cooperativa (12 C)

A partir da necessidade de construção de um ambiente sadio, limpo e harmônico com responsabilidade social, atendendo as demandas da cadeia produtiva com compromisso e qualidade, foi criada no ano de 2001 a Cooperativa de Produtores Ecologistas de Gar ...

Programa de Apicultura e Meliponicultura (10 C)

Programa de Apicultura e Meliponicultura (10 C)

Realizado em parceria com associações de apicultores, o Programa de Apicultura e Meliponicultura tem como objetivo apoiar as comunidades locais, proporcionando o uso racional da biodiversidade, aliado à preservação da natureza através do desenvolvime ...

Projeto Hortas Comunitárias (20 C)

Projeto Hortas Comunitárias (20 C)

O projeto hortas comunitárias, desenvolvido desde 2001, é uma estratégia da Eletrosul para o gerenciamento das áreas de risco do sistema de operação de energia elétrica, por meio da conscientização das comunidades sobre os riscos da ocupação irregula ...

Juventude Rural: Projeto Novos Rurais (03 C)

Juventude Rural: Projeto Novos Rurais (03 C)

O programa Novos Rurais é orientado a jovens formados por entidades de educação formal e contextualizadas ao campo que se tornam capazes de gerir projetos rurais sustentáveis, com o objetivo de criar estratégias de diversificação e pluriatividade. Ap ...

Sustentabilidade de Comunidades Indígenas (07 C)

Sustentabilidade de Comunidades Indígenas (07 C)

O projeto Sustentabilidade de Comunidades Indígenas tem o objetivo de promover a sustentabilidade do modo de vida Guarani das comunidades indígenas Tekoha Ocoy, no Município de São Miguel do Iguaçu, Tekoha Añetete e Tekoha Itamarã, ambas no Município ...

Promoção do Turismo Rural na Agricultura Familiar: Caminho das Flores, Cores e Sabores (22 C)

Promoção do Turismo Rural na Agricultura Familiar: Caminho das Flores, Cores e Sabores (22 C)

O Caminho das Flores, Cores e Sabores é um roteiro turístico iniciado em 2008 no município de Ipiranga do Sul/RS. Atualmente, dispõe de nove propriedades que se destacam pelos belos jardins, cultivo de plantas medicinais, hortas e pomares. O roteiro ...

Vivência Solidária (VS): Vida em Comunidade (05 C)

Vivência Solidária (VS): Vida em Comunidade (05 C)

A legítima Vivência Solidária (VS) é aquela formada e exercida por certo número de pessoas que possuem os mesmos interesses e princípios e que estão dispostos a vivenciá-los numa vida em comum. Consiste inicialmente em colocar a disposição dos demais ...

Produção de Peixes em Nossas Águas (PPNA) (01 C)

Produção de Peixes em Nossas Águas (PPNA) (01 C)

O Programa "Produção de Peixe em Nossas Águas - PPNA" é uma prática desenvolvida pela ITAIPU Binacional que promove a inclusão social, valoriza os pescadores e melhora a qualidade de vida daqueles que tiram seu sustento das águas da Bacia do Paraná 3 ...

Jovens Rurais em Movimento (PJRM) (06 C)

Jovens Rurais em Movimento (PJRM) (06 C)

O Projeto Jovens Rurais em Movimento busca o fortalecimento do tecido sócio-organizativo do território através do estímulo à participação jovem em fóruns próprios e instâncias territoriais de discussão e decisão. A essência do referido projeto foi a ...

Organização dos Produtores de Laranja Através de Sistema Cooperativista (17 C)

Organização dos Produtores de Laranja Através de Sistema Cooperativista (17 C)

A laranja in natura é uma das alternativas de renda com viabilidade econômica na região de Nova América da Colina, possuindo expressivo mercado potencial, face à proximidade de grandes centros consumidores. No início dos anos 2000, técnicos da Emater ...

Turismo Rural na Agricultura Familiar: Acolhida na Colônia (09 C)

Turismo Rural na Agricultura Familiar: Acolhida na Colônia (09 C)

A Acolhida na Colônia é uma associação de agricultores familiares destinada ao desenvolvimento do agroturismo. Através dela, pequenos agricultores passaram a oferecer, em suas propriedades, atividades de hospedagem, alimentação, venda de produtos, la ...

Produção de Olerícolas Orgânicas na Região Norte do Paraná (18 C)

Produção de Olerícolas Orgânicas na Região Norte do Paraná (18 C)

A prática apresenta trabalhos desenvolvidos ao longo de 16 anos com a produção de oleráceas em manejo orgânico na região norte do Paraná, com obtenção de produtividade e qualidade comparada e/ou superior à da agricultura convencional. Para essa reali ...

Inclusão Digital para a Juventude Rural – “De Olho na Terra” (15 C)

Inclusão Digital para a Juventude Rural – “De Olho na Terra” (15 C)

O projeto “De Olho na Terra” teve como objetivo a criação de um telecentro com internet banda larga, anexo ao centro comunitário do Assentamento da Reforma Agrária “Butiá”, localizado no distrito de Volta Grande, município de Rio Negrinho/SC. Atualme ...

Consórcio Empresarial entre Cooperativas da Agricultura Familiar (16 C)

Consórcio Empresarial entre Cooperativas da Agricultura Familiar (16 C)

O Consórcio Empresarial entre Cooperativas da Agricultura Familiar visa à integração das Cooperativas da Agricultura Familiar em rede, em nível de Estado, com a finalidade de criar uma inter-relação entre as mesmas e o mercado, de forma organizada e ...

Habitação Rural: Projeto Caprichando a Morada (02 C)

Habitação Rural: Projeto Caprichando a Morada (02 C)

O “Caprichando a Morada” busca garantir de forma cooperada e solidária o acesso à moradia de qualidade para agricultores familiares através da sensibilização quanto aos programas habitacionais rurais, mobilização e inclusão dos agricultores no sistem ...

Valorização e Uso das Frutas Nativas para a Geração de Renda (13 C)

Valorização e Uso das Frutas Nativas para a Geração de Renda (13 C)

Os técnicos do CETAP, ao realizarem um trabalho de assessoria com o objetivo de contribuir para a afirmação da agricultura familiar e suas organizações, com um princípio de construção baseado em uma agricultura sustentável, dentro dos princípios da a ...

Comércio Justo de Produtos Orgânicos (19 C)

Comércio Justo de Produtos Orgânicos (19 C)

A prática apresenta as ações desenvolvidas pelo Laboratório de Mecanização Agrícola da Universidade Estadual de Ponta Grossa (Lama/UEPG) com o objetivo de fortalecer a cadeia sustentável de produtos orgânicos da região Centro-Oriental do Paraná com b ...

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. 4
  5. 5
  6. 6
  7. 7