A partir dos bons resultados obtidos com a experiência na produção de hortaliças com base agroecológica em apenas 1,5 hectare no assentamento Integração Gaúcha, de Eldorado do Sul, e do entendimento de que era necessária a transição do sistema convencional para o agroecológico, a Cootap decidiu mudar radicalmente a partir da safra de 1998/1999, optando pelo processo produtivo de arroz orgânico, um grande desafio à cadeia dominante.

 

Ainda que persistam entraves como a dificuldade de espaço físico para armazenamento e insuficiência de capital de giro entre os produtores, o êxito obtido levou o projeto a assentamentos de outros municípios do Estado do Rio Grande do Sul. 

Resultados efetivos: A prática atualmente conta com o envolvimento de 471 famílias, divididas em 60 grupos de produção, em uma área total de 4.799 hectares, com produção anual estimada de 475.498 sacas de arroz orgânico.

 

A - Informações gerais

 

INÍCIO: 01/1998 (em andamento)

ENTIDADE EXECUTORA: Cooperativa dos Trabalhadores Assentados da Região de Porto Alegre Ltda - Cootap

ENTIDADES CO-EXECUTORAS: Cooperativa de Produção Agropecuária dos Assentados de Tapes LTDA - Coopat; Cooperativa de Produção Agropecuária Nova Santa Rita - Coopan; Cooperativa dos Produtores Orgânicos da Reforma Agrária de Viamão - Cooperav.

PARCEIROS: Secretaria de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo - SDR/RS; Cooperativa Central dos Assentamentos do Rio Grande do Sul - Coceargs; Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária - Incra; Instituto Rio Grandense do Arroz - Irga; Cooperativa de Prestação de Serviços Técnicos LTDA - Coptec

APRESENTADO POR: Celso Alves da Silva

RECURSOS: Próprios e de terceiros

FAIXA DE VALOR: Entre US$10 mil e U$15 mil

CATEGORIA: Unidade de Referência

ÁREA TEMÁTICA PRINCIPAL: Segurança Alimentar e Nutricional

PALAVRAS-CHAVE: Segurança Alimentar; Soberania Alimentar; Arroz Orgânico; Agroecologia; Sustentabilidade; SDR-RS; Cooperativismo; Assentamento Agrário. 

PÚBLICO-ALVO: Agricultores familiares assentados da reforma agrária, cooperativas agrícolas e consumidores em geral.

LOCALIZAÇÃO: Área rural

ABRANGÊNCIA GEOGRÁFICA: Microrregional

MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO: Nova Santa Rita, Viamão, Tapes, São Gabriel e Manoel Viana.

ÁREA ESPECÍFICA DE IMPLANTAÇÃO: Assentamento Integração Gaúcha, em Eldorado do Sul (RS).

 

B - Descrição da prática

 

1- ANTECEDENTES

A Cootap, fundada em meados de 1994, iniciou seu trabalho com o propósito de ser uma prestadora de serviços aos agricultores, no sentido de fornecimento de máquinas, equipamentos e assistência técnica, ainda no modelo convencional de produção agrícola, sem restrição do uso de produtos químicos nas lavouras. Paralelo a este foco de trabalho, o grupo também tinha como objetivo gerenciar uma organização entre os assentamentos da reforma agrária do Estado do Rio Grande do Sul. O sistema convencional de produção, que tem na sua prática o uso de produtos químicos, gerava o "envenenamento" do plantio, algo que pouco a pouco foi afastando os agricultores assentados do trabalho no campo. 

Estabeleceu-se então o conceito de que as famílias de agricultores assentados vinculados à Cooperativa precisavam ter mais autonomia no processo produtivo do arroz, desde o plantio à comercialização, uma vez que parte da produção se dava de forma arrendada para terceiros. Os princípios do Movimento dos Sem-Terra - MST, que durante sua trajetória amadureceu bandeiras como a necessidade da conquista da terra, alimentação saudável e integração social e econômica entre as famílias assentadas, indicavam que o caminho único a ser seguido era a produção estritamente orgânica. Portanto, por meio de uma decisão técnica e política, desenvolveu-se o novo formato de produção de arroz nos assentamentos do Estado.

 

2- OBJETIVO GERAL

Realizar a transição do sistema convencional para o agroecológico na produção de arroz como forma de atender as “bandeiras” do MST, aumentar o poder econômico dos agricultores e inserir as famílias assentadas no processo produtivo.

Objetivos Específicos:

  • Controlar a cadeia produtiva do arroz orgânico, reduzindo os arrendamentos e inserindo as famílias assentadas em todas as etapas de produção;
  • Respeitar o ambiente, desenvolver-se com sustentabilidade, entendendo os limites dos recursos naturais.

 

3 - SOLUÇÃO ADOTADA

A experiência inaugural com o plantio de arroz aconteceu em uma área de 100 ha no município de Viamão (RS), em meados de 1997. A partir da maior adesão das famílias, foi criado o Grupo Gestor do Arroz, responsável pela coordenação estadual dos 60 grupos de produção. A partir disto, foram realizadas as seguintes ações:

- Realização de seminários locais e estaduais para planejamento, com a participação das famílias nas tomadas de decisões;

- Execução de políticas públicas de fomento, firmadas com os governos estaduais e federais, para a disponibilização de sementes, maquinário, equipamentos agrícolas e assistência técnica às famílias, além do acesso aos mercados institucionais, como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE);

- Formação permanente e a capacitação de agricultores, realizada anualmente em parcerias com entidades como Coptec e Emater/RS;

- Estabelecimento de um roteiro tecnológico aos agricultores que engloba quatro elementos fundamentais para o bom manejo do arroz: sementes, distritos de irrigação, insumos orgânicos e maquinário;

- Realização anual (em 2014 completou onze edições), da Abertura Oficial da Colheita do Arroz Orgânico, como forma de relacionamento com o ambiente externo, divulgação da produção de arroz agroecológico sob controle dos assentados e incentivo ao consumo deste produto. 

 

4 - RESULTADOS ALCANÇADOS

 Resultados financeiros: 

- Cada família assentada envolvida no plantio do arroz tem ganho R$ 40 mil em média anual (cálculo feito pela Cootap como base no ano de 2013);

- A partir da entrada do agricultor na produção orgânica há um acréscimo estimado em 20% sobre o valor do produto final.

 

Resultados produtivos:

- Aumento de uma área de 1,5 hectare (produção de hortaliças em Eldorado do Sul) e 100 hectares (experiência inicial com o arroz em Viamão) para uma área total de plantio de 4.799 hectares no Estado;

- Produção de arroz orgânico estimada anualmente em 475.498 sacas;

- Crescimento anual de 20% de novas famílias no processo produtivo;

- Aumento anual médio de 27% de área plantada;

- Aumento de produção de arroz em aproximadamente 29,6% por ano.

 

Resultados sociais:

- Envolvimento direto de 471 famílias na produção do arroz;

 

- Estruturação de 60 grupos de produção;

- Maior integração entre as famílias executoras do trabalho, satisfeitas em realizarem uma ação ambientalmente responsável; 

- Satisfação pessoal do produtor em oferecer um produto comprovadamente saudável à população;

- Consolidação de uma experiência significativa de produção orgânica, em escala de lavoura, referência no Rio Grande do Sul e no Brasil;

- Reconhecimento enquanto Organismo Participativo de Avaliação da Conformidade Orgânica (OPAC) junto ao Ministério da Agricultura.

 

5 - RECURSOS NECESSÁRIOS

 Acesso à terra, através do processo de Reforma Agrária.

- Insumos orgânicos, como pó de rocha e calcário, para correção e fertilização do solo.

- Retroescavadeiras, tratores e implementos para a sistematização das áreas e controle da lâmina da água.

- Unidades de armazenamento e beneficiamento do arroz.

- Técnicos e extensionistas (recursos de pessoal) para capacitação e assistência dos agricultores.

- Fornecimento de sementes através do apoio do Governo do Estado e entidades parceiras.

 

 

6 - TRANSFERÊNCIA

Tendo em vista o êxito obtido na experiência inicial realizada no assentamento Integração Gaúcha, em Eldorado do Sul (RS), a Cootap trabalhou no sentido de implementar a prática de cultivo de arroz orgânico em outros assentamentos a ela vinculados do estado. Para tanto, a união com outras cooperativas da Reforma Agrária do Estado (Coopat, Coopan e Cooperav) serviu para aumentar ainda mais o número de famílias inseridas nesse processo, que já abrange variados municípios, como Nova Santa Rita, Viamão, Tapes, São Gabriel e Manoel Viana, que colaboram para que a expectativa de colheita gire em torno de 500 mil sacas de arroz único e exclusivamente orgânico. 

A forma de transferência de um município a outro se dá após a concepção do Grupo Gestor do Arroz, que recebe relatórios técnicos elaborados nos seminários locais, que aponta novas áreas potenciais. Para efeito de exemplo, em 2013 uma família de agricultores assentados referência na produção do arroz orgânico em Tapes foi designada pelo Grupo Gestor a ir para o município de Manoel Viana iniciar a implementação dessa prática nos assentamentos locais.

 

7 - LIÇÕES APRENDIDAS

A união das famílias assentadas em torno de um único projeto, com o entendimento de que era necessário ter autonomia na produção do arroz, foi um dos fatores que possibilitaram o sucesso da prática. O comprometimento do quão é importante para o meio ambiente, e também para o consumidor, uma produção com base agroecológica foram elementos indispensáveis para o sucesso do projeto.

Destaque também para a importância do apoio de entidades como o Governo do Estado e os órgãos a ele vinculados quanto a assistência técnica, aporte de recursos financeiros, fornecimento de sementes e maquinário

Alguns entraves foram identificados durante o processo, como:

- limitações no armazenamento do arroz em razão da alta produção. Hoje, aproximadamente 30% da produção total são armazenados de forma terceirizada;

- Insuficiência de capital de giro entre as famílias assentadas;

- Necessidade de uma maior divulgação do trabalho “para fora da porteira”, isto é, no relacionamento com o público geral.

Por fim, esta experiência caracteriza-se como uma boa prática por estabelecer um estilo de produção que respeita os limites naturais, e que acabam por refletir nas atividades diárias dos agricultores envolvidos.

 

 

Há possibilidade de visita à prática em qualquer época, preferencialmente pelo período da manhã, mediante agendamento.

 

 de visitantes: Até 30 pessoas.

powered by contentmap
Centro de Multiplicação de Genética Caprina (05 E)

Centro de Multiplicação de Genética Caprina (05 E)

Diante das dificuldades enfrentadas pelos caprinocultores da região sudoeste foi proposto pelos pesquisadores do Instituto Agronômico do Paraná e técnicos da SEAB e Emater, o desenvolvimento de um programa que agregasse valor à atividade.   {galler ...

Projeto Doce Fruta: Apoio aos Programas Institucionais (01 E)

Projeto Doce Fruta: Apoio aos Programas Institucionais (01 E)

O Projeto Doce Fruta, desenvolvido a partir de 2010 junto aos 50 municípios da região oeste do Paraná, visa a inclusão das famílias rurais no processo de diversificação da produção in natura e na agroindustrialização, através da ampliação de pequenos ...

Unidade de Produção de Arroz Orgânico (02 E)

Unidade de Produção de Arroz Orgânico (02 E)

 A partir dos bons resultados obtidos com a experiência na produção de hortaliças com base agroecológica em apenas 1,5 hectare no assentamento Integração Gaúcha, de Eldorado do Sul, e do entendimento de que era necessária a transição do sistema conve ...

 Caracterização e Identificação de “Guardiões de Sementes Crioulas” na Perspectiva de Ampliação da Segurança Alimentar (10 E)

Caracterização e Identificação de “Guardiões de Sementes Crioulas” na Perspectiva de Ampliação da Segurança Alimentar (10 E)

O elemento basilar para a construção da prática é a constatação da existência, mundialmente, do fenômeno cunhado como “erosão genética”, que em seu sentido mais amplo concretiza-se como a perda de componentes do patrimônio genético das espécies e, po ...

Rastreabilidade: Programa Alimento Sustentável (PAS) (04 E)

Rastreabilidade: Programa Alimento Sustentável (PAS) (04 E)

O Programa Alimento Sustentável - PAS contempla a rastreabilidade e o monitoramento de frutas, legumes e verduras (FLV). Através de um fluxo de informação integrado, utilizando sistemas de registro de dados e comunicação entre produtor, distribuidor, ...

Programa Nacional de Alimentação Escolar – Uma Experiência de Comercialização Integradora (09 E)

Programa Nacional de Alimentação Escolar – Uma Experiência de Comercialização Integradora (09 E)

A prática apresentada relata a experiência desenvolvida a partir do ano de 2013 e articulada entre a Emater/RS-Ascar, através da Unidade de Cooperativismo de Erechim/RS (UCP), 7ª Coordenadoria Regional da Educação, Conselho Municipal de Segurança Ali ...

Sistema Eletrônico para Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar (12 E)

Sistema Eletrônico para Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar (12 E)

O Sistema Eletrônico Merenda possibilita realizar Chamadas Públicas de grande complexidade (grande número de gêneros, escolas e municípios) para aquisição de gêneros da Agricultura familiar. Inclui cadastro das entidades e projetos de venda, controle ...

Cozinha Social e Restaurantes Populares (06 E)

Cozinha Social e Restaurantes Populares (06 E)

O município de Toledo, em 2006, implantou a Cozinha Social e os RPs (Restaurantes Populares), e assim extrapolou os limites do assistencialismo puro e simples, passando à implementação de uma política pública de assistência social, garantindo acesso ...

Combate à Fome: rede solidária entre quilombolas e indígenas  (08 E)

Combate à Fome: rede solidária entre quilombolas e indígenas (08 E)

A região oeste do Paraná destaca-se pela elevada produção de grãos, suínos e aves, porém, nela concentram-se comunidades em extrema vulnerabilidade social, tais como quilombolas e indígenas. Entre os referidos grupos, prevalecem a pobreza e a escasse ...

Agroindústria Familiar: Uso Sustentável da Agrobiodiversidade Nativa (03 E)

Agroindústria Familiar: Uso Sustentável da Agrobiodiversidade Nativa (03 E)

A Agroindústria Bellé consolidou-se como apoio às famílias que desenvolvem a agricultura ecológica e extrativista em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul promovendo o aproveitamento do volume da produção não comercializada pela pequena propriedade p ...

Quintais Orgânicos de Frutas: Contribuição para a Segurança Alimentar em Áreas Rurais e Urbanas (07 E)

Quintais Orgânicos de Frutas: Contribuição para a Segurança Alimentar em Áreas Rurais e Urbanas (07 E)

O projeto "Quintais Orgânicos de Frutas" é desenvolvido desde 2004 e tem como objetivo contribuir com a sustentabilidade social, econômica e ambiental de públicos em situação de vulnerabilidade e de risco social, econômico e alimentar, principalmente ...

 Sistema de Tratamento de Água para o Meio Rural com Filtro Lento Modelo Imaruí (11 E)

Sistema de Tratamento de Água para o Meio Rural com Filtro Lento Modelo Imaruí (11 E)

Até o ano de 2005 a água consumida por muitas famílias rurais da Região de Tubarão não passava por qualquer proteção, filtragem ou tratamento. Para contribuir com a qualidade de vida dessa população, os técnicos da Epagri pesquisaram alternativas de ...

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. 4